Tambores da Mulherada pelo fim da violência

Criado em 2001, o Instituto A Mulherada luta pela defesa dos direitos das mulheres vítimas de violência e por sua inclusão educacional e profissional. Além de realizar capacitações, o grupo tem uma banda formada por mulheres percussionistas.

Seu projeto “Tambores pelo fim da Violência - Tocar pode, bater não” se dedicou a difundir a Lei Maria da Penha através da música. A banda realizou shows sobre o tema, alcançando um público de mais de 3 mil pessoas.

Patrícia Mesquita, 41 anos, passou a ter mais confiança depois da experiência: “Sou guitarrista e cuido da direção musical do grupo. Fui tocada pelo projeto de várias formas e entrei na luta contra a violência contra as mulheres. Sofri uma situação silenciosa de violência e só depois das palestras e dos ensaios eu me dei conta. Havia um desconforto do meu esposo de que eu tocasse. Aprendi com as próprias músicas do projeto que essa coisa de querer me tirar desse círculo social, de me privar disso, era uma forma de violência. Algo sutil, mas intenso e constante. Só me toquei com ajuda do projeto, e consegui me colocar como dona de mim, e também ajudar amigas. Várias mulheres passam por situações como essa, mas a gente não se toca. Muitos acham que é bobagem, mas essas situações são bolas de neve e atingem diretamente nossa autoestima. Na nossa própria banda, quase todas sofreram algum tipo de violência: no início, muitas mulheres não tinham confiança. Agora temos um grupo fortalecido psicologicamente e emocionalmente”.