Fundo Fale Sem Medo 2016: grupos já estão nas ruas!

Os grupos selecionados no edital 2016 do Fundo Fale Sem Medo já iniciaram as atividades de seus projetos. As 33 organizações usam as mais diversas estratégias para multiplicar informações e ações para o enfrentamento à violência doméstica. 
 
Nos projetos selecionados este ano constam a promoção da inclusão e do empoderamento feminino na construção civil, a capacitação de lideranças das trabalhadoras domésticas, um festival de música e até a produção de programas radiofônicos, entre outros. Tudo voltado para o fim da violência doméstica e acessando as normas e leis que existem para enfrentá-la.
 
Um exemplo é o Grupo Cultural Balé das Iyabás, que com o projeto Protagonismo de Preta II objetiva fortalecer, emancipar e empoderar mulheres, sobretudo mulheres negras, através de oficinas com dinâmicas de interação com música e dança afro e debates sobre gênero e raça/etnia, promovendo o enfrentamento dos diversos tipos de violência sofridos pelas mulheres.
 
O ciclo de oficinas, chamadas de Vivências do Balé, começou em março. O primeiro encontro, no dia 20 de março, teve como tema a Rede Pública de Enfrentamento à Violência Doméstica e contou com a participação de Vanda Ferreira. “Na primeira Vivência do ano, enfrentamos a temática da violência doméstica. A convidada Vanda Ferreira, que luta diariamente para os direitos e o bem estar das mulheres negras dentro da Secretaria Municipal, nos lembrou quão longo é ainda o processo para mudar a mentalidade e o comportamento da sociedade em relação à questão, o que inibe a eficácia dos equipamentos públicos mas também fortalece e alimenta a nossa luta. Uma luta que revivemos através da mitologia dos Orixás, Itans que nos lembram da força, da resistência, das estratégias das Iyabás e dos infinitos recursos que temos perante a essas imposições e violências”, disseram Sinara Rúbia e Ludmilla Almeida, coordenadoras do grupo.
 
No dia 10 de abril haverá um novo encontro das Vivências do Balé. A convidada desta edição será a Ana Paula Lisboa, escritora e coordenadora da Agência de Redes Para Juventude, que conversará sobre mulheres negras e juventude da favela. O evento acontece de 15h às 18h na Rua Joaquim Silva, 98, Lapa, Rio de Janeiro. Saiba mais.
 
Curta a página do Balé das Iyabás e fique por dentro dos próximos eventos.
 
O projeto Elas que são Elas!, do Grupo de Estudo sobre a Lei Maria da Penha da Universidade Vila Velha (ES), também iniciou suas atividades em março. A estreia foi no Dia Internacional da Luta da Mulher, 8 de março. Toda segunda terça-feira de cada mês, o grupo realizará um evento para debater temas relacionados às violências contra mulheres.
 
A iniciativa surgiu a partir do Grupo de Estudos “Lei Maria Da Penha” sob orientação da Professora Drª.Carmen Hein De Campos, inicialmente com integrantes dos cursos de Direito e Psicologia. “Nos eventos do ‘Elas que são Elas’ que vão acontecer a partir de agora, poderão participar pessoas de qualquer curso e de qualquer área”, explicou Daniela Bello, estudante de Psicologia que faz parte do projeto. “Nosso grupo está aberto a contribuições de todas e todos e a novos integrantes. Embora sejamos dos cursos de Direito e Psicologia, somos um grupo aberto à comunidade acadêmica, pois queremos que seja diverso em estilos, ideias, etnias, sexualidades e gêneros”, reforçam as integrantes do grupo. 
Acompanhe o “Elas que são Elas!” no Facebook.
 
 
Foto: Safira Moreira