Bordadeiras da Coroa - Bordando e Transformando a Realidade - Elas na Moda

Notícias

Bordadeiras da Coroa - Bordando e Transformando a Realidade

20/07/2020


A tradição de conversar bordando e bordar conversando é o ponto de partida do projeto das Bordadeiras da Coroa, no Rio de Janeiro. O objetivo é fortalecer mulheres a partir da formação política – feminismo, empoderamento, cooperação, economia solidária, autonomia das mulheres são palavras-chave para o fortalecimento do grupo de bordadeiras e do Grupo de Trabalho de Mulheres do Fórum Estadual de Economia Solidária.

Para Elza Santiago, uma das coordenadoras do grupo, é importante é “passar para as mulheres o que a gente aprendeu durante todos esses anos com o feminismo, com a não-violência contra a mulher”

Entretanto, as Rodas de conversa entremeadas pelo bordado e as feiras tiveram que ser adaptadas ao contexto da pandemia do Covid-19. Inclusive a participação na 27º Feira Internacional do Cooperativismo de Santa Maria (FEICOOP- RS) precisou ser suspensa para não expor as mulheres a aglomerações.

As dificuldades para essas mulheres que vivem da comercialização de suas produções – assim como tantas e tantos outros trabalhadores e trabalhadoras informais – se agigantaram. Mas o compromisso de “não deixar nenhuma mulher para trás” já estava enraizado nesse coletivo e elas não se intimidaram diante dos desafios.

Partiram para a produção de máscaras que vem sendo distribuídas para transeuntes e população de rua da Zona Norte e Zona Oeste do Rio de Janeiro e em municípios da Baixada Fluminense e Região Metropolitana. “Já perdemos as contas de quantas máscaras distribuímos!”, conta Elza Santiago, uma das coordenadoras do projeto.

Mulheres negras na sua maioria, mães e moradoras de comunidades, as Bordadeiras da Coroa conhecem de perto a realidade de outras mulheres que precisam de ajuda. Por isso, se mobilizaram para comprar cestas básicas e uniram forças com outros coletivos, como a parceria com a Ocupação Mariana Criola (que faz parte do Movimento Nacional de Luta pela Moradia) para que, além da distribuição de comida para população de rua que a Ocupação já faz, também fossem distribuídas máscaras.

Nesse momento o grupo se organiza para fazer lives e atividades virtuais com as mulheres que fazem parte do projeto. Elas consideram que tão importante quanto continuar as conversas temáticas de formação é colocar em prática a cooperação e solidariedade – se manter conectadas, abraçadas e apoiadas para seguir debatendo e construindo o futuro pós pandemia.